Pela segunda vez em menos de um mês, a Cracolândia, na região central de São Paulo, passou por operação policial. Na manhã deste domingo (11), agentes da Força Tática e da Tropa de Choque da Polícia Militar e homens da Guarda Civil Metropolitana chegaram por volta das 6h na Praça Princesa Isabel, que concentra a maioria dos usuários de drogas. Com a ação, os usuários atearam fogo nas barracas. Os bombeiros foram acionados para conter o fogo. Após o fim da operação, funcionários da prefeitura iniciaram a limpeza do local.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, na ação foram presos dois traficantes, apreendidos 774 gramas de droga e R$ 1,6 mil em dinheiro.

Ações

O prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin foram à região da Cracolândia após o encerramento da ação, por volta das 7h30. "Esse é um trabalho permanente, não vai resolver do dia para a noite. Não deve haver concentração [de usuários] porque facilita a vida do traficante e dificulta a abordagem", disse Alckmin.

O prefeito João Doria disse que as ações na Cracolândia continuarão. "Não tem recuo. Vamos continuar avançando em ação medicinal, urbanística e social, o fluxo vai diminuir.”

Por meio de sua página no Facebook, o padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, criticou a ação. "Alguém acredita que isso vai resolver alguma coisa! Violência contra os irmãos na Praça Princesa Isabel". Ao publicar uma foto dos policiais em ação, ele lamentou a forma como foi realizada a operação na cidade. “Em São Paulo é assim que se faz! Dá pra acreditar!!!”

Desde o dia 21 de maio, quando foi feita a primeira grande ação policial na Cracolândia para a prisão de traficantes e apreensão de armas, a concentração de usuários, que ocorria no cruzamento da Alameda Dino Bueno e da Rua Helvétia, migrou para a Praça Princesa Isabel.

Prefeitura

Por meio de nota, a prefeitura de São Paulo informou que, com o governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública e da Polícia Militar, realizou uma ação conjunta hoje na Praça Princesa Isabel e que o objetivo era a retirada das tendas e barracas que estavam sendo utilizadas pelo tráfico.

De acordo com a nota, a ação da Polícia Militar, com apoio da GCM, foi pacífica e sem maiores incidentes. "Algumas barracas foram incendiadas por usuários e o fogo controlado pelo Corpo de Bombeiros."

A nota esclareceu ainda que a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social enviou 54 orientadores e quatro peruas de transporte para abordar e encaminhar os usuários e que SAMU esteve de prontidão para atender eventuais emergências. "Equipes da Secretaria de Saúde estão realizando atendimento no CAPS AD instalado na Alameda Helvetia. Na Praça Princesa Isabel começou a funcionar hoje uma unidade de acolhimento da Secretaria de Saúde."

Segundo a nota, a prefeitura de São Paulo reitera "que manterá contínuos esforços para dar acolhimento e tratamento aos dependentes químicos e pessoas em situação de rua. Também reitera que continuará apoiando as polícias Civil e Militar, por meio da Secretaria de Segurança, no combate, ao tráfico de drogas".

Por Ludmilla Souza - São Paulo