O salão H do espaço dedicado à Comic-Con de San Diego (Califórnia, EUA) , em julho de 2013, estava abarrotado - como sempre - com os costumeiros fãs de cultura nerd, quadrinhos e cinema. O ator Harry Lennix, com seu vozeirão imponente, foi chamado ao microfone para anunciar o sucesso de O Homem de Aço, filme que trouxe Superman de volta às telonas. Recitou o seguinte trecho: "Eu quero que você se lembre, Clark. Em todos esses anos que virão. Nos seus momentos mais íntimos. Eu quero que você lembre do homem que o derrotou".

Ninguém precisou dizer a origem da citação. Para aquele grupo de pessoas, era como um pastor lendo um trecho já conhecido da Bíblia ou as primeiras notas de um hino do rock diante de um estádio lotado. Era um trecho de Batman, O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller, figura das mais importantes do quadrinho moderno, em uma de suas mais brilhantes criações, publicada em quatro volumes em 1986.

Lennix havia emprestado sua voz a Bruce Wayne, ou Batman, em seu discurso triunfal, diante da vitória contra Clark Kent, o Superman, o mais poderoso herói de todos os tempos. Trata-se de um dos mais notáveis discursos da história das HQs, que já começou a ganhar uma sequência, prestes a completar 30 anos.

Miller está trabalhando na terceira sequência da história do Homem-Morcego, chamada The Dark Knight III: The Master Race, ainda sem título em português (o álbum só vai ser lançado no Brasil em 2016, pela Panini Comics). É para promover a última parte daquela trilogia com aquele envelhecido e angustiado Batman que Miller estará em São Paulo, nesta semana, como maior atração da Comic Con Experience, convenção de quadrinhos em sua segunda edição na cidade.

Convidado de honra da também chamada CCXP, Miller é, por razões óbvias, e descritas acima, a principal atração da feira que levará uma legião de fãs de cultura pop e nerd para o São Paulo Expo, localizado logo após o primeiro quilômetro da Rodovia dos Imigrantes, na zona sul da cidade. Estima-se que 120 mil pessoas passarão pelo local entre os quatro dias de evento, desta quarta-feira, 2, até domingo, 6. A programação inclui um tributo a ele às 16h30, na sexta-feira, 4, no Auditório Cinemark, e um painel dedicado à terceira parte de O Cavaleiro das Trevas, às 16h, no mesmo espaço.

The Dark Knight III: The Master Race segue os passos deixados por Cavaleiro das Trevas de 1986 e 2001, mas, desta vez, Miller não está sozinho. Ele tem a companhia de Brian Azzarello, conhecido pelo trabalho excelente na série 100 Bullets, e depois pelo trabalho nas HQs da Mulher-Maravilha. Durante uma participação surpresa na Comic-Con de Nova York, em outubro deste ano, Miller colocou todos os créditos do novo trabalho em Azzarello. "Eu criei o ambiente (em O Cavaleiro das Trevas), no qual o Batman vai operar. E tentei me manter fiel ao personagem", disse Miller, na ocasião. "Brian está, agora, expandindo essa história que eu introduzi. Mas esses são personagens da DC Comics, eles continuam dessa forma, nesse mundo já existente. Tudo o que posso dizer é que eles escolheram um time perfeito, eu não poderia estar mais satisfeito", concluiu o autor.

Miller viveu altos e baixos nos últimos anos. Depois da estonteante sequência que incluiu redefinir o herói Demolidor e criar o Cavaleiro das Trevas, o quadrinista viveu bons momentos com a série crua Sin City e no ótimo Ronin e no mediano 300. O segundo Cavaleiro das Trevas recebeu críticas mistas. Nos cinemas, falhou nos roteiros de Robocop 2 e 3 e The Spirit. Em compensação, juntou-se a Robert Rodriguez para dirigir o filme de Sin City: A Cidade do Pecado (2005), cuja estética em preto e branco impressionou.

Notoriamente mal-humorado, o autor é uma atração única pela obra e seu legado. Poucos fariam milhares de fãs de quadrinhos vibrarem como crianças. Miller é um deles. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Pedro Antunes - São Paulo