A colocação do GP do Brasil como a penúltima etapa da temporada da Fórmula 1 será fundamental para ajudar os brasileiros a cumprirem o primeiro mandamento para um piloto se dar bem na categoria. Ganhar a batalha interna dentro da equipe dá moral e motiva os "Felipes" Nasr e Massa a superarem os dois respectivos adversários escandinavos, Marcus Ericsson e Valtteri Bottas.

A partir da abertura dos treinos livres desta sexta, com a primeira sessão às 10h, a dupla da casa tenta corresponder às expectativas da torcida. Como a Sauber e a Williams vão manter as duplas para o próximo ano, a disputa final para terminar 2015 na frente vai indicar quem deve começar a próxima temporada mais fortalecido.

"É sempre uma disputa interessante. Vou tentar fazer o máximo para conseguir pontuar. Sabemos que o Bottas está fazendo um ano muito bom. Ele é um piloto muito bom", disse Massa na quinta sobre o colega na Williams. Os dois companheiros na escuderia inglesa travam uma luta particular para tentarem terminar em quarto lugar no ano. Apenas nove pontos separam os dois, com vantagem finlandesa. Bottas é seguido de perto na pontuação pelo compatriota Kimi Raikkonen, da Ferrari.

Bottas ficou três posições à frente de Massa no ano passado, ao ficar em quarto lugar, posição que garantiu fazer de tudo para repetir. O finlandês leva mais em conta nesse objetivo nem tanto a disputa com o brasileiro, mas sim a rivalidade criada no seu próprio país pelas recentes encrencas com Raikkonen.

Os dois se envolveram em batidas durante tentativas de ultrapassagens nas corridas na Rússia e no México. Depois, nunca mais voltaram a se comunicar, a não ser pelas farpas trocadas em entrevistas "Seria ótimo terminar em quarto lugar em frente de uma das Ferrari, pelo carro ótimo que eles têm. Seria um feito importante para nossa equipe", comentou.

Se conseguir melhorar a sexta posição atual no campeonato, Massa terá a melhor temporada desde 2008, quando foi vice-campeão pela Ferrari. Depois disso, o máximo que conseguiu foi terminar três vezes como sexto colocado.

VANTAGEM BRASILEIRA - Na Sauber a situação na batalha interna é bem favorável ao Brasil. Nasr deve confirmar em Interlagos que vai terminar o ano na frente do sueco Marcus Ericsson, que está 17 pontos atrás.

Por ser estreante, Nasr se disse satisfeito pelo rendimento, superior até mesmo ao colega que faz a segunda temporada na categoria. "Consegui aprender um pouco dos novos circuitos, assim como superar a dificuldade no desenvolvimento do carro", disse o brasileiro.

Pela primeira vez ele terá a oportunidade de guiar no circuito e admitiu a ansiedade pelo contato com a torcida. "No ano passado eu era piloto de testes da Williams e senti um pouco o gosto de correr aqui. Mas não vejo a hora de receber a energia do público brasileiro."

A organização da prova estima que durante os três dias o público supere os 133 mil do ano passado. A capacidade do autódromo é de cerca de 75 mil pessoas.

Por Almir Leite, Ciro Campos e Felipe Rosa Mendes - São Paulo