No último sábado (27), aconteceu o UFC Hollywood, no qual Lyoto Machida foi vencido pelo cubano Yoel Romero, sendo a segunda derrota do lutador paraense em três meses no UFC. Em abril, Machida foi derrotado por finalização pelo americano Luke Rockhold. No combate desse último fim de semana, Lyoto sofreu um violento nocaute, fazendo com que fãs do lutador clamassem por sua aposentadoria nas redes sociais. Entre tantas mensagens, uma deve representar muito para Machida.

Sua sogra, Ray do Vale, postou uma foto do lutador com a filha Fabyola, esposa de Lyoto, e um texto comovente pedindo para que ele pare de lutar. Na publicação, com tons de drama e poesia, Ray pede para que Lyoto deixe esse mundo “selvagem e sangrento” do qual, segundo ela, não faz parte e volte a viver como um menino, sem preocupações com alimentação e hábitos simples da infância, como soltar pipa, brincar com os amigos e jogar bola.

A mãe da esposa de Lyoto ainda revela que o sonho de criança do lutador já foi concretizado e que ele não combina com essa realidade de “criaturas anabolizadas, verdadeiros feixes de músculos artificiais, duros e impiedosos como barras de aço”. Ela caracteriza Machida como alma nobre, espiritual e sensível.

Leia na íntegra a postagem da sogra de Lyoto Machida, Ray do Vale:

"PARE AGORA, LYOTO! VÁ VIVER...

Lyoto é uma alma nobre, espiritual e sensível. Nunca entendi sua entrada nesse mundo selvagem, de pessoas e valores tão diferentes dos que ele sempre cultivou. Assim mesmo sempre o apoiei, sem julgamentos ou avaliações. Detesto a luta, mas amo o lutador. A admiração e a confiança que tenho na sua integridade e na sua nobreza foram a senha para que respeitasse o caminho que escolheu. Ele saberia a hora de parar. Tomara que seja logo!

Lyoto já viveu o seu sonho de criança, quando acordava de madrugada, driblando a vigilância da família pacífica e bem formada, para assistir os "telecatch" da vida, sonhando ser um daqueles monstrengos que, naquela época, apenas fingiam bater, em cenas de pseudoviolência, quase pastelão. E quando cresceu, como é da sua índole, correu atrás do desejo da sua criança.

Mas... me permito dizer agora: definitivamente, Lyoto não combina com esse mundo selvagem e sangrento, que não finge ferir, fere! Ok. Ele já viveu a experiência que desejou viver. Se o universo dos chutes e socos letais sempre foi selvagem, cada dia se torna mais perigoso e distante da alma de Lyoto. Hoje, mais que antes, é um mundo de criaturas anabolizadas, verdadeiros feixes de músculos artificiais, duros e impiedosos como barras de aço. Lyoto não combina com músculos fabricados em oficinas nem um pouco éticas. Ele jamais apelaria para meios escusos. Sua marca é a disciplina e a disciplina. Seu recurso maior, a meditação e uma alimentação super equilibrada, sob orientação técnica, e amorosamente cuidada pelas mãos de alguém tão disciplinada quando ele - sua mulher. Essa tarefa ela não delega a ninguém. Seus pratos balanceados vem da alquimia de um amor incondicional e de um cuidado irrestrito, quase espartano. Como misturar o Lyoto dos sucos verdes, das fibras integrais, do cardápio ao óleo de coco, com aqueles homens mecânicos, cyborgs contemporâneos?

Vá viver, Lyoto! Você já atendeu ao seu desejo de menino! E já ofertou o que podia àqueles que admiram apenas o lutador. Esses só lhe festejam na vitória. São impiedosos quando o jogo vira. Agora aproveite os que amam o homem, o SER, o cidadão comum, que perde e ganha nos jogos da existência, que erra e acerta; volte a viver em sua alma brincalhona, aprontar suas conhecidas "pegadinhas" de mau gosto com os amigos. Vá comer seu bife com batata frita e tomar um suco nutricionalmente incorreto, cheio de açúcar, aqui e ali, como qualquer menino piolhento e de pé sujo. Deixe o mundo dos homens que se esqueceram de si mesmos e vá ser um pouco o moleque de joelhos escoriados de alegria. Seja menino de novo! E diga aos outros meninos, esses sim, iguais a você: fui, venci, perdi. E daí? Estou de volta pro meu aconchego! E pra minha pipa! Go, menino Lyoto! Boa pelada!"