Horas depois de o principal atleta brasileiro da categoria +80kg tratar a chance de Anderson Silva disputar a Olimpíada como uma "piada", o lutador de MMA se pronunciou pela primeira vez sobre o caso. Em postagem na rede social Instagram, o ex-campeão dos médios do UFC afirmou que está "a anos luz" dos seus rivais, mas prometeu que vai se dedicar ao máximo pelo sonho de lutar tae kwon do no Rio-2016.

"Sei que estou totalmente fora de forma, pois não treino há muito tempo, mas estou disposto a tentar. Vou treinar muito como sempre fiz e tentar índices (sic) para os Jogos Olímpicos. Estou em outro nível. Os atletas olímpicos são praticamente super atletas, que estão a anos luz de qualquer um. Mas eu vou sim sair da minha zona de conforto e tentar. O pior que pode acontecer é eu não conseguir resultados satisfatórios. Ao menos eu vou ter a certeza que vou tentar", escreveu Anderson ao republicar vídeo postado mais cedo, treinando tae kwon do.

No começo da tarde, Guilherme Felix, número 18 do ranking mundial da categoria na qual Anderson Silva lutaria, mostrou que os atletas da modalidade não digeriram bem a possibilidade de o atleta de MMA, suspenso por doping, participar da seletiva olímpica.

"Vamos parar com a brincadeira! Eu e a maioria dos atletas de tae kwon do estamos cansados dessa polêmica do Anderson Silva dizer que vai tentar vaga pros Jogos Olímpicos. Não tenho nada contra ele e nem o conheço pessoalmente, mas esse tema é motivo de piada. Ele (Anderson Silva) pode tentar, assim como qualquer um devidamente filiado e regularizado pode tentar. Muitos levando isso a sério, mas pra mim não passa de brincadeira, marketing pessoal dele. Todos estão falando de forma cautelosa, eu cansei. Se ele quer mesmo disputar a vaga pros Jogos, que venha. O risco é dele e acho que vai ter que se preparar muito pra não passar vergonha. Estou ansioso! Aqui não vai ter mais piadinha e brincadeira com coisa séria", postou Guilherme, no Facebook. O atleta chegou a retirar o texto minutos depois, mas voltou a postá-lo após cerca de uma hora.

ENTENDA - Na segunda-feira, a Confederação Brasileira de Tae Kwon do (CBTKD) publicou carta de Anderson Silva ao presidente da entidade, Carlos Fernandes, em que afirma ter vontade de disputar os Jogos do Rio-2016 e se coloca à disposição. No texto, o lutador rasga elogios ao cartola, que não tem apoio da maioria dos atletas da modalidade.

Antes, na quinta-feira da semana passada, a CBTKD havia anunciado que um dos quatro convites aos quais o Brasil tem direito no tae kwon do olímpico como dono da casa será utilizado na categoria +80kg. Assim, Anderson Silva não precisaria obter a classificação pelos critérios regulares - terminar o ranking olímpico entre os seis primeiros do mundo.

A CBTKD, porém, não explicou se Anderson, que sequer é filiado à Federação Internacional de Tae Kwon Do (WTF, na sigla em inglês), entraria zerado na disputa interna pela vaga, tendo que começar pelos campeonatos estaduais até chegar à seleção e, só depois, lutar contra os melhores atletas da categoria. Fora da seleção de 2015, ele não tem como obter pontos no ranking olímpico para passar Guilherme Felix, por exemplo.

A comissão técnica ainda não definiu como será a seletiva olímpica, mas o técnico da seleção, Fernando Madureira, afirmou à reportagem que pretende que os dois ou três melhores atletas de cada categoria façam "pelo menos" duas ou três rodadas de lutas entre eles. Além de Guilherme Felix, disputam o posto Maicon Andrade (vencedor da seletiva nacional) e Lucas Ferreira (responsável por garantir um brasileiro da categoria no Pan).

De qualquer forma, para ter direito a convite, Anderson Silva precisaria cumprir os requisitos exigidos pela WTF (federação internacional). O primeiro deles: receber uma licença de lutador de tae kwon do. Depois, precisa de resultados. Pelo menos um da seguinte lista: medalhista de uma competição da WTF (federação internacional), chegar em algum momento entre os 20 melhores do ranking olímpico, ficar entre os 16 melhores do Mundial, avançar às quartas de final do Campeonato Pan-Americano ou ganhar o Campeonato Brasileiro. Tudo isso até abril de 2016.

Anderson Silva está provisoriamente suspenso por doping pela Comissão Atlética de Nevada (NAC), depois de ter testado positivo para anabolizantes (duas vezes) e ansiolíticos em pelo menos três exames, um antes da luta contra Nick Diaz, no UFC 183, e dois no dia do combate.

Caso seja punido pela Comissão Atlética de Nevada (NAC), Anderson Silva fica suspenso de lutar pelo UFC. A entidade, porém, trabalha com regras diferentes da Wada (Agência Mundial Antidoping) e por isso a CBTKD entende que Anderson poderia participar normalmente de competições de tae kwon do.

Por Demétrio Vecchioli - São Paulo